suspiro

Você pediu para eu fechar a janela
o sol ardia seus olhos frágeis
eu ainda insistia em te dizer que
essa parada de horoscopo era perda de tempo
nós sempre discutíamos sobre
todos esses anos, o final disso tudo era o de sempre
caíamos nas risadas até chorar
eu devolvia em um beijo até você corar
aproveitei o momento
voltei naquela história de desistir das aulas de música
para poder ficar mais tempo com você
nós sempre discutíamos sobre
me pediu para abrir na página quarenta e oito da revista e ver
o que dizia no signo de áries
eu ri, mas o fiz
você nunca vai tomar jeito
citei Deus e entramos naquela conversa
religiões, crenças, deuses, amor
quase pude te fazer entender sobre mitologia grega desta vez
você me contou aquelas histórias sobre médiuns
que eu ficava sem piscar, atento, em cada palavra
vivia a perguntar a mesma dúvida que eu carregava comigo
‘se nos separarmos, será que Deus nos une novamente?’
beijei a testa morna e sai
desta vez
não perguntou nada, apenas sorriu
já conhecia aquele sorriso
não se preocupe, vai ficar tudo bem
desci para almoçar
era domingo
fiz minha prece
antes de terminar a sobremesa, na escada
vi o médico e a enfermeira vindo ao meu encontro
ela chorava. ele quase.
eu já sabia, 
o prazo era até sexta-feira
mas ela de tão teimosa, contrariou
até o domingo
comprei um girassol e deixei sobre o seu corpo
ela dormia tão calma que eu queria acreditar
que era apenas sono
na mão esquerda um papel escrito
‘FINALMENTE SEI QUEM É MEDUSA!’
filha da mãe
me fez comprar um jornal só para ver
o horoscopo de domingo
mas desta vez
não iríamos discutir sobre


Comentários

Postagens mais visitadas